Postado em 25 de Janeiro de 2016 às 08h47

Alta de 50% no preço do milho pode prejudicar setor de aves e suínos.

CleanTec do Brasil A ameaça à produção e produtividade da avicultura e suinocultura tem como base o aumento de 50% no preço do milho, já que os setores podem apresentar itens mais caros em 2016 caso...

A ameaça à produção e produtividade da avicultura e suinocultura tem como base o aumento de 50% no preço do milho, já que os setores podem apresentar itens mais caros em 2016 caso não haja intervenção no mercado, especialmente por parte do governo federal.

Em Santa Catarina, no mês de outubro do ano passado, a saca do grão custava em torno de 27 reais e agora está cotada, em média, a 42 reais. O mesmo resultado foi observado na praça de Campinas (SP), conforme dados do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea, Piracicaba/SP). Atualmente, segundo a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA, São Paulo/SP), a ração é responsável por aproximadamente 80% dos custos dos granjeiros no País. leia mais....http://www.feedfood.com.br/alta-de-50-no-preco-do-milho-pode-prejudicar-setor-de-aves-e-suinos/

Veja também

Humanidade vai consumir mais alimento em 50 anos do que em toda a história.29/08/17 As previsões para os próximos anos são de alta populacional e crescimento na demanda por alimentos. Já não é novidade que o Brasil é fator essencial para Alimentar o Mundo em 2050, quando haverá quase dez bilhões de pessoas no mundo. O analista sênior do Rabobank (São Paulo/SP), Adolfo Fontes, faz uma brincadeira: “a senha do mundo......
Setor de suínos aposta em ganhos no comércio internacional.06/01/17 pós um ano difícil para a suinocultura brasileira, agentes do setor renovam as esperanças para 2017, mais uma vez pautadas no mercado internacional. Essas informações são do Centro de Estudos Avançados em......
Cinco semanas de queda de preços desvalorizam carne bovina em 6%06/02/17 O ano começou difícil para a indústria frigorífica brasileira. Até agora, o mercado de carne bovina segue sem apresentar alta. São cinco semanas de quedas de preços, mais de 6% de desvalorização......

Voltar para Notícias